CURTO CIRCUITO.








Que nome dar ao que sinto?
Que coisa que desaquieta deve de ter nome.
Como chamar esse tic tac na cabeça,
bomba armada com precisão de tempo?
Meu coração taquicardiado, precisa de explicação.
Se desse nome ao que sinto, daria definição.
Meu sangue se aligeira na veia, corre sem destino,
depressa demais pro meu entendimento.
Meu corpo tenso,
procura essa palavra que vai trazer a descontração.
Mas que palavra é essa que me falta?
Quais letras tem precisão de dar as mãos e formar a resposta?
No vasto leque de emoções, a todas já dei nome.
Nenhuma é a que sinto.
Olho prá frente e enxergo o dentro, isso tem que ter nome.
Sigo adiante, em linha reta, mas meu eu ziguezagueia prá trás,
vivo voltando ao antes.
Apuro os ouvidos, meu escutar está fraco, só escuta uma voz.
Essa, sim, tem nome.
Mas não é desse nome que falo,
esse eu já sei quem é.
Sei que quem provocou esse sem nome,
foi esse que nome tem.
Tudo foge ao meu controlar,
preciso achar esse nome,
esse oculto, esse que vai clarear.
Esse nome escapa do dicionário,
que já li que nem bula de remédio.
Procurei nas entrelinhas, nos efeitos colaterais,
esse nome se esconde só prá me agoniar.
Minha pele me rejeita,
não quer o meu tocar.
Minha boca não se abre ao falar,
falo com o pensamento, ninguém consegue escutar.
E tanto pensamento, não consigo dar vazão,
eles embaralham as idéias,
vão prá lá e se arrependem,
voltam prá cá e não se entendem.
Andam brigando por espaço,
amontoadas em meu pensar.
Meu entendimento está sem pernas, não avança,
desaprendeu a lógica.
Que a lógica só vai voltar,
quando o nome que busco, descobrir minha cabeça.
Acho que esse nome se perdeu dentro de alguma gaveta
ou entre as dobras da coberta em que me escondo de mim.
Se eu não achar esse nome, se ele se perder do meu sentir,
se o nome que sei, não der nome ao que eu não sei,
então sou caso perdido.
Vou ter que viver com o achamento
que essa coisa sem nome só acontece em mim,
porisso nem nome tem.
Então, vou batizar o sem nome com o teu.
Aí, o sentimento vai ter definhação.

23 comentários:

  1. Oi NÁDIA,

    você sempre generosa.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  2. Oi Paulo.
    Meu coração vive taquicardiado,mas o meu sem nome,já é batizado.
    Um texto bem criativo adorei.Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NELMA,

      você sempre muito generosa, obrigado!

      Um abração carioca.

      Excluir
  3. Ha "coisas" que não encontramos lógica e nem porquê! E mesmo sem nome certo, transmitem uma belissima sensação!
    Adoro ler você.

    Abraços e uma otima semaninha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LU,

      esta "belíssima sensação" é o que faz mais azul o céu!

      Um abração carioca.

      Excluir
  4. Paulo, sou Elizabeth do blog Liderar e motivar: razões para o sucesso. Como você, muitas vezes não sabemos dar nomes ao que sentimos. Sabemos, sim, que as reações dentro de nós gritam, a todo instante, para nos libertar de nossos vícios, tristezas, desânimo. A Fé e o Amor são grandes nomes que costumo dar para "espantar" a desmotivação. Gostei muito do blog. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. MARIA ELIZABETH,

    bom você ter gostado e ter acrescentado aqui, um comentário eivado de consistência, afinal você é especialista nesta área.

    Volte sempre e um abração carioca.

    ResponderExcluir
  6. "Acho que esse nome se perdeu dentro de alguma gaveta
    ou entre as dobras da coberta em que me escondo de mim".

    Muito bom!
    Fiquei imaginando
    o amante procurando...
    Lindo
    Abraço e valeu pelo puxão de orelhas.
    Cá estou, grata pelo teu carinho.

    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LOURAiNI,

      obrigado,simplesmente!

      E no seu comentário, friso a sua imaginação, pois, amor é feito com isto e muito respeito mutuo.

      Concorda?

      Um abração carioca.

      Excluir
  7. Amei o texto Paulo! Esse sem nome, tem nome sim, sempre tem não sei bem se isso é o melhor, ou o pior.Mas enfim..................
    Abraços mil

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LILLY,

      quer saber?

      Eu também não saberia dizer se melhor ou não, um nome!

      E parabéns pelo seu blog.

      Um abração carioca.

      Excluir
  8. Feliz segunda-feira!

    Sua inspiração nos presenteia com textos que vale a pena reler várias e várias vezes...

    Abraços

    Nicinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PERSEVERANÇA,

      uma semana completa de muita realização.

      Obrigado, mesmo!

      Um abração carioca,Nicinha.

      Excluir
  9. A onde estará esse nome, Paulo obrigada pela visita seguindo o seu blog convido você para fazer parte lá do meu, te desejo um ótimo final de semana beijos.
    Blog /Fan Page / Twitter /

    ResponderExcluir
  10. LUCIMAR,

    o nome é o segredo, neste nosso texto ficcional e aproveito para dizer que estou também,seguindo o seu blog e tenha um final de semana com sol (acho meio difícil) se possível , mas de toda forma com muitas possibilidades de momentos felizes.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  11. Olá Paulo! Creio que esse nome que se esconde nas dobras da coberta e do pensamento, deva ser chamado de "talento", gostei de como brinca com as palavras, vc sobeja inspiração! Parabéns pelo instigante texto!
    Obrigada pela visita ao meu humilde blog. Seguirei os teus, não sei se desejas seguir o meu, mas esteja a vontade. Desejo um amanhecer violáceo e radiante! Um bj no seu coração!

    ResponderExcluir
  12. DINAPOETISADAPAZ,

    este "talento" eu aceito como um generosidade e como eu não sou pobre orgulhoso, então aceito! (rs)

    Acho que você realmente, tem uma forma particular de versejar e com muita competência.

    O comentário que fiz , exprime como sempre eu faço, a minha verdade em relação ao que leio.

    Voltarei sempre lá no seu blog e obrigado por ter compartilhado comigo aqui,sua presença, sem nenhum curto circuito.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  13. Dentro de cada um, tem sentimento, que não existe palavras (nome) para definir , por isso existe o olhar o sorriso outras linguagens , que podem transmitir o que não conseguimos falar com palavras nem dá nomes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ADRYANA,

      concordo em gênero, número e grau!!!

      Um abração carioca.

      Excluir
  14. Oi Paulo.
    Eu acredito que nem todas as coisas que sentimos ou vivenciamos precisa ser dado um nome.
    Muitas vezes dar um nome a elas é pior, situação que já aconteceu comigo.
    Prefiro simplesmente deixar tudo fluir, sem rótulos...
    Beijos.

    http://colunadami.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Por vezes é necessário desligar, tentar esvaziar a mente como aprendi no Ioga (sem sucesso, aliás).

    Porque temos de arranjar nomes, explicações para tudo?

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  16. Olá Paulo,
    Por vezes o sentimento é tão profundo, tão forte, que não cabe nenhum nome, a não ser o da pessoa que o ocasionou...Adorei! Parabéns pelo dom divino com que Deus te presenteou, de conseguir colocar em palavras o que te vai na alma e no coração. Te seguindo aqui também com muito prazer.
    Abraços com carinho
    Marilene

    ResponderExcluir