UM SENTIMENTO DESTRUIDOR

 


                                                  

Foram-se as esperanças,foram-se as fantasias, acabaram-se os sonhos...ficaram só as dívidas!
Dívidas de uma conta de juros impagáveis,ingratidão maior  de absoluta desnecessidade e afobações ansiosas movidas por um comportamento doentio, inquieto, indefinido, irreal,tumultuado,arrogante e inexplicável.
Se já e difícil entender as razões de um coração em mentes não assoladas por tsunamis de vingança e sede de desforras, imagine, neste!
Ser humano complicado,indecifrável,que não sabe pedir que, nunca foi formatado para dialogar e sempre com um pé atrás.
Vida safada de ser vivida!
Quantos dos nossos valores, hoje precisam ser revistos? 
Quantas das nossas ações diuturnas merecem serem revistas quanto aos seus temperos existenciais, o muito sal que carregam ou muito apimentadas para tornar a digestão da comida da vida diferente das porções fatais da morte?
Parece que o ser humano prefere apostar na infelicidade.
É isso! 
Os seres humanos sentem culpa dos prazeres , dos momentos de felicidade, das possibilidades de viverem integralmente sobre o mormaço tenro de um sol aconchegante.
Herbert Marcuse, no livro, Eros e Civilização tentou explicar isto, através de uma interpretação filosófica e psicanalítica.
Dizia que no clã original, primeiro grupo familiar que existiu,o pai primordial era dono dos prazeres da mãe e da natureza e aos filhos cabia, somente, trabalhar.
Um dia, este filhos se revoltaram e queriam, porque queriam também, os prazeres da mãe e da natureza e não só os trabalhos e sacrifícios e então, mataram o pai.
Livres do jugo explorador das suas vontades maiores, os filhos no entanto, sempre que experimentavam os prazeres da vida, pelo qual mataram o pai, sentiam um profundo desconforto psíquico e do corpo que,e não sabiam explicar.Era uma dor aguda!
A explicação?
Culpa!
Sentimentos de culpa permeiam a maioria das ações de todos nós e eles corroem nossas chances de felicidade integral.
Expiar nossas culpas pode ser uma boa reflexão para podermos melhorar nossas qualidades de vida e prazeres que elas nos oferece. 
Esta época do ano, costuma ser boa conselheira.

AS DEZ MANEIRAS INFALÁVEIS DE UMA MULHER CONQUISTAR E MANTER O SEU HOMEM!!!

 -Torcer pelo mesmo time de futebol do que ele, principalmente se ele for rubro-negro, vascaíno ou corintiano. Creia que, esse pessoal não perdoa “adversário”.



                                                                


-Elogiar todas as últimas performances sexuais dele como se tivessem sido indiscutivelmente, sem a menor sombra de dúvida e, de maneira incontestável, as melhores e que, jamais, em toda a sua vida de mulher você  pôde imaginar ser possível um homem fazer e daquela forma ma-ra-vi-lhooooooo-sa!

                                            


-Perguntar se ele está fazendo academia, pois tem notado que sua musculatura está mais durinha, a barriguinha (?) está sumindo e seu estado geral, inclusive o fôlego ( não ria!) melhorou bastante. 
Minta,minta mesmo,homem adora elogios desta natureza e não está nem aí, se é verdade ou mentira.
                                           
                                                       


-Nos fim de semana e naquele seboso e afundado sofá no lugar onde ele senta, mantenha o cara abastecido de bolinhos disso, bolinhos daquilo, linguicinha assim, frango a passarinho assado, pudinzinho de leite, manjar de coco, e muita cerveja gelada, estupidamente gelada, inacreditavelmente geladíssima!


                                                     
-Proibir a sogra dele de ir a casa de vocês, nos fins de semana, fazer uma boquinha no almoço.

                                                    
-Estar sempre cheirosinha, gostozinha, provocativazinha mesmo estando naquele fogão maldito, fritando quilos de batatas frita há  mais de uma hora.

                                                   


-Criticar abertamente, aquele carro novo do vizinho, último modelo da marca e importado o mais caro, e que só falta falar e terminando a frase com esta afirmação feliz da vida:
 “Nosso fusquinha 66 é muito mais lindo, não é mô?”

                                      


-Confidenciar para ele, mas com muito cuidado para não criar outros problemas que, você não gostou nada de como a melhor amiga de vocês falou sobre a vida privada dela na cama com o companheiro e descrevendo em minúcias sobre o instrumento de trabalho do cara quanto a tamanho, diâmetro, beleza e eficácia.
Ao terminar coloque as mãos nas cadeiras, olhe nos olhos do seu marido e afirme:
-"Mô" , se ela viesse o seu então, ficaria muito decepcionada com aquela porcaria do marido dela.Coitadinha! (continue fazendo força para não rir!).

                                                                          


-Diga que ele tem absoluta razão sobre qualquer assunto que vocês estejam conversando. Homem é igual a recém-nascido precisa de muito peito e colo.
                                                                          
                                                                        
                                            
- E definitivamente, diga que ele não está ficando careca e o que está acontecendo é que atrás da cabeça tem nascido muito mais cabelo que na frente. É só mudar o penteado e pronto.


                                                           

RELEITURA E RECONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA MULHER.



O século passado foi marcado e definitivamente, por uma revolução verdadeiramente marcante qual seja, a da emancipação feminina. 
Liberta dos grilhões e garrotes que lhe sufocavam o convívio social,profissional, econômico, e cultural a mulher pode finalmente,conquistar os espaços antes negados.
Foram sucessivas vitórias e hoje,se não estão em plenas condições de igualdade com os homens- principalmente, na questão da remuneração profissional comparada - as experiências já demonstram , no entanto, que houve uma melhoria extraordinária neste processo.
Estudos sociológicos sempre comprovaram a tese de que em toda as revoluções sociais, inicialmente os excessos são naturais e fazem parte do amadurecimento e acomodação social dos envolvidos até que se encontrem o meio termo fundamental.
Durante todo o processo de libertação social das mulheres, muitos equívocos foram cometidos, muitas radicalizações foram perpetradas, mas no geral, hoje, uma certa estabilidade volta a reinar .
Acho apenas que um ajuste necessário deveria fazer parte das reflexões nas pautas dos diversos movimentos de sustentação destas garantias sociais  femininas.
Sem dúvida, ainda falta encontrar neste processo existencial libertário uma identidade cultural própria feminina.
As conquistas alcançadas certamente não foram para que as mulheres pudessem repetir no dia-a-dia o elenco de erros e desencontros dos homens , aliás questão essa que sempre foi alvo de combativos e justos reclamos das mulheres,seja, contra o machismo explícito ou as formas outras de não reconhecimento da utilidade indiscutível do papel da mulher no lar, enfim...
Mas, temos visto no entanto, que o comportamento de um minoria de mulheres tem relegado o fato de que a liberdade conquistada deve ser preservada e não, transformada em eixo do mal para que se faça aquilo que tanto era,criticado nos homens.
Tem havido muitos excessos e a sociedade espera que a nova mulher não seja apenas livre para portar-se como um homem, antes, repito, justamente tão criticado.
É esta falta de uma identidade cultural feminina própria que me parece ainda ser o gargalho neste processo de emancipação da mulher.
A feminilidade é uma prerrogativa e não deve ser encarado como um entulho a ser descartado por esta nova mulher emergente, assim como, os hábitos menos nobres no enfoque da sexualidade, pois, afinal, o advento da pilula anticoncepcional lhes deu a liberdade de exercer livremente aquilo que os homens sempre fizeram, porém, sempre confundido liberdade com libertinagem.
Neste erro essencial não deverão incorrer a mulher,e valores como os da família e maternidade, deveriam a meu ver serem mantidos , transformados se fosse o caso, porém, nunca descartados, por esta nova geração de feminista.
Nossa sociedade precisa de equilíbrio e bom senso e isto não falta nesta nova mulher emergente, basta que se pense mais no todo e menos nas necessidades individuais.
Porém, tudo é um processo e acredito que os ajustes finos nestas questão em breve existirão.

CERTAS EMBOSCADAS!


                                                               

Certa vez uma aranha conversava com a borboleta sobre a vida e os perigos que aqueles que nos cercam , eventualmente,podem nos causar.
A aranha dizia:
-Pois é querida borboletinha,precisamos ter cuidado com as abelhas.
-Ué, qual a razão?- pergunta a borboleta evidentemente, nervosa.
-Elas atacam em enxame e são poderosas e muito irritáveis.
-Nem sabia, obrigado.
-E qualquer desses pássaros vagabundos que andam voando por aí, de uma hora para outra podem com uma simples bicada, matar impiedosamente a gente.
-Nossa, chego a ficar arrepiada só de pensar
-Pois é ,precisamos muita cautela quando escolhemos nossas amizades, nunca se sabe...
-Estou ficando preocupada, amiga aranha, eu procuro ser boazinha com todo mundo, trato meus amiguinhos muito bem para evitar brigas e confusões, pois sou de paz.
-Borboleta, você é  adorável e gosto muito de você, destas suas asas lindas e coloridas, você pode voar,encanta a todos com sua graça,beleza, transmite tranquilidade, encantas até as crianças...
-Você também, aranha..


                                                             

-Não borboleta , eu sou detestada por todos,sempre pensam que sou violenta, que vou brigar,trazer problemas para todo mundo e sou muito diferente de você.
-Eu não acho, sou sua amiga, gosto muito de você e nem admito que ninguém fale mal de você perto de mim, pois a defendo sempre.
-Eu sei disse minha amiguinha.É por esta razão que preciso lhe falar uma coisa muito séria.
-O que aranha?
-Olha, querida tem um bicho por aqui querendo fazer uma maldade com você.
-É mesmo? Mas não faço mal a ninguém, quem é?
-Não posso falar alto, chega mais pertinho de mim,encosta seu corpinho na minha teia que vou falar bem baixinho no seu ouvido, quem é .
-Assim está bom?
-Está, borboletinha.A formiga saúva quer pegar você.
-É mesmo?
-Sim ela me falou, você precisa tomar muito cuidado.
-Chega mais pertinho borboleta que vou lhe dizer o que ela pensa em fazer com você.
-Mais perto ainda?
-Assim está bom ?
-Está.
-O que você está fazendo comigo, está me puxando para a sua teia e com essa cara de quem vai me fazer mal.Larga aranha, me larga somos amigas, lembra? Muito amigas. Não faça isso...

-Pois é borboleta,mas estou com muita fome e quando se trata da minha sobrevivência, são os que estão mais próximos que eu sempre devoro.

                                                     

AS RAZÕES EXPLÍCITAS DO PRECONCEITO.



Herbert Marcuse sociólogo de origem alemã e naturalizado norte-americano transitou entre Karl Marx e Freud com a naturalidade e oportunidade únicas, e ao escrever um dos seus mais famosos livros, acrescentou toda esta vivência cultural, em “Eros e civilização”.

A sexualidade como uma teoria de poder, ideologia, e um conjunto de fatores que sempre objetivam também, culpar uma fatia nas discussões políticas da sociedade e algo, agora muito claro.

Diz ele que, no clã original o Pai era o detentor sobre os filhos de todos os prazeres sobre a natureza e sexuais, sobre a mãe.

O jugo a que estavam submetidos os filhos, apenas lhes deixavam o dever de árduo trabalho e muitas obrigações.

Em determinado momento, insurgiram-se os filhos contra aquele comando absoluto paterno e o mataram, para poderem também usufruir dos prazeres sexuais e da natureza.

No entanto, sempre que exercitavam agora este direito conquistado, lhes assaltava um mal estar incontrolável, pois aquilo será conseqüência do assassinato do seu pai, e revela-se aí um sentimento, muito e sempre inconsciente quando da prática da obtenção dos prazeres: A culpa.

Culpa esta que, compreendida esta interpretação filosófica do autor, nos leva a crer que, o prazer é sempre pensado e obtido tendo como fatores inconscientes o fato de sempre que,o obtemos, pensamos que outros não terão acesso a ele, por nossa causa.

Todas as ideologias políticas exercem exatamente, esta força coercitiva sobre os outros, seja ela, outra classe, ou de outro grupamento humano.

O exercício da sexualidade hoje, suas múltiplas opções colocadas nas mesas das negociações sociais, pretendem exatamente afirmarem-se sim, como ideologias de poder, no qual aqueles que, se fortalecem nas manifestações sobre as suas aceitações sobre o convencimento sobre as maiorias sociais, estão é na verdade querendo, livrar-se
do preconceito que lhes impede a ascensão política e social, talvez por sentimento de culpa de todo o resto da sociedade em pensar que, o próprio prazer é sempre conseqüência, da infelicidade do outro

Isto não é rigorosamente verdadeiro, e ao compreendermos que a liberdade é uma opção de todos nós, talvez aí tenhamos que aceitar, porque em certos grupamentos sociais eles fazem questão de continuarem presos a preconceitos.

É simplesmente, porque o preconceito é a porta de entrada pela qual entram todas as tentativas de alguém, querer barrar a liberdade ampla do outro e como vemos não estão em jogo apenas valores éticos, morais ou religiosos e sim, toda uma ideologia de dominação e espaços já conquistados.

Dividir este poder com quem e qual as justas razões para isso?


Esta é a raiz do preconceito.

ACRESCENTANDO....

UMA VERDADEIRA HISTÓRIA DE AMOR!!!

MÚSICA: TERESINHA DE CHICO BUARQUE
INTERPRETAÇÃO: MARIA BETHÂNIA.

O primeiro me chegou (???) Como quem vem do florista ( De bigote reto,todo ajeitadinho) Trouxe um bicho de pelúcia, ( Abraçadinho no seu rosto o bichinho de pelúcia e o beijava bem jeitoso) Trouxe um broche de ametista.( Era enorme , pra mostrar que tinha "muito", "muito" pra mim) Me contou suas viagens (De Toscana a Dubai que combinado com o sheik tinha feito só pra mim) E as vantagens que ele tinha.(Nossa! Bota vantagens nisso, o cara era montado nas coisas!) Me mostrou o seu relógio; (Olha, verdadeiro Big Ben de pulso,cravejado de diamantes, e o escambau!) Me chamava de rainha.( Mas muito chatinho,Só queria que eu saísse dos meus trabalhinhos, os quais vivia a vida para tê-los) Me encontrou tão desarmada, Que tocou meu coração, Mas não me negava nada E, assustada, eu disse "não". O segundo me chegou (De cara pensei que era o "Homem", o "Cara", a ultima bolacha do pacote) Como quem chega do bar: (Mas logo vi que era um bebum, mangaça profissional) Trouxe um litro de aguardente ( Outro litro de whisky e tantos outros, perdi a conta...) Tão amarga de tragar.(E cada gole uma vomitada, cada garrafa uma UTI) Indagou o meu passado( Eu sou isso e aquilo e você, é só isso, é aquilo?) E cheirou minha comida.( Desprezando: não gosto disto!) Vasculhou minha gaveta;( Tudo vazio aqui, não tem nada que preste?) Me chamava de perdida.(`É você realmente "não resta a menor dúvida") Me encontrou tão desarmada, Que arranhou meu coração, Mas não me entregava nada E, assustada, eu disse "não". O terceiro me chegou (Um cara meio maluco , destrambelhado e quase um maniaco sexual) Como quem chega do nada:( Falando de "socialismo", um professorzinho de merda, e só pensando "naquilo", e quase me currando dentro do carro) Ele não me trouxe nada,(Só tesão, cara de tesão, só pensava naquilo e vivia me apertando,apalpando, me marcando com a boca selvagem) Também nada perguntou.(O negócio dele não era quem eu era e sim, o que eu iria ser para ele) Mal sei como ele se chama,(Sobrenome esquisitão,sei lá que droga era aquela!) Mas entendo o que ele quer!( E então me fiz de gostosa, louca por dentro pra me entregar,um dia fiz a curva na direção,certa!) Se deitou na minha cama( Só perguntei se estava limpinho, sujinho nem pensar, e me arrebatou) E me chama de mulher.(E entre beijos sufocantes e abraços delirantes me arrebentou de amor) Foi chegando sorrateiro( Nem disse nada , mas fez cada coisa, nossa nem te conto!!!) E antes que eu dissesse não,( Antes mesmo, ele ia fazendo, mas com tanto amor e paixão que eu deixava) Se instalou feito um posseiro ( Não tive forças, esmaeci, fiquei toda molezinha, gostei de montão!) Dentro do meu coração ( E hoje, aquele malucão , depois de tantos anos continua dizendo que eu sou a sua única e definitiva: PAIXÃO!)

JOÕES E MARIAS


                                                              
                                                           
                                                        
                                                     
                                 Texto inspirado na música de Chico Buarque: João e Maria

                                          
A gente envelhece para quem gosta de envelhecer, a gente amadurece para quem gosta de amadurecer, a gente é jogado na vida da direita para a esquerda, do alto para baixo e alguns se despencam na ribanceira da infelicidade.
Mas nem todos nas suas idas e vindas, mesmo depois de rotulados pelos tolos e afastados pelos desistentes viscerais que pensam e analisam com o fígado, tem a oportunidade de parar e pensar: O que a vida vai fazer de mim!
Se parar para pensar você certamente descobrirá que mesmo montado naquele cavalo que só fala inglês e de mãos dadas com a noiva do Cowboy agora considerada sua princesa coroada e obrigada pela lei a ser feliz e mais ainda, apesar de ter que  enfrentar os alemães e seus canhões, assume a satisfação e o orgulho por sentir-se um brinquedo e um bicho preferido, que desconhece o medo e o faz-de-conta existencial que soma, subtrai, mas, quando multiplica ilusões destrói a realidade e fere o amor.
Quando alguém sumir do seu mundo sem avisar e espanar suas lembranças varrendo com a vassoura poderosa de piaçava grossa os vestígios de sua existência a dois naquele tempo da maldade você tem que se perguntar: O que a vida vai fazer de mim!
Se perguntar com os braços abertos para o céu, as mãos espalmadas e ávidas por abraçar aquele corpo seu e sentindo o seu próprio corpo agora extenuado pela ausência fatal e jogado no quintal daquelas noites que não terão fim, ficará sabendo que deixou de ser o bedel e também o juiz, então pare e continue a pensar: O que a vida vai fazer de mim!
Insista e arremesse com seu bodoque imensas e sólidas bolas de argila contra as muralhas da intolerância, continue correndo por entre trilhas de chão batido pelos pés rachados de quem anda independente do calor do solo procurando a verdade e insista cada vez mais e sempre que mandarem você desistir, continue insistindo que é muito melhor salvar a nossa própria razão do que ficar vivendo a superficialidade da honra e verdades das razões alheias.
Insista e você irá encontrar de novo a sua amada Maria, pois afinal, lugar de João se não for ao lado dela de que lado errado ficará?
E para o reencontro separe o seu melhor presente para ela que pode ser aquele vestido de chita rodado e rendado de um colorido lindo que você tanto sonhou que ela um dia pudesse usar e se mostrar bonita para todo mundo ver!


                                                                   Copie e cole
Viva e reviva ao vivo a musica de Chico Buarque no link:
 https://music.youtube.com/watch?v=agH2bBnNUCs&list=RDCLAK5uy_k9L-Ybe-4zFBfmV-06sgXqpeVfHhSAJeI