TEXTO DO BLOG: TRANSFORMA EM ASAS MINHA CRUZ DA NATHÁLIA ALVES.
RECOMENDO.

Eu não mereço ser estuprada!






(É um texto longo, sim. É sobre a campanha contra o estupro, sim). Ok. Vou escrever e falar também. Se você é mulher, me responda uma coisa: você já foi assediada? Já ouviu aquelas famosas "cantadas de pedreiros"? Quando você ouviu essas cantadas, você gostou? Bom, não sou feminista nem machista (antes de criticar isso também, faça-me um favor: pesquise). Apenas quero garantir que meu corpo não seja violado por um babaca qualquer que acha que pode fazer o que quiser comigo (à força). Meninas, garotas, moças, mulheres, senhoras. Seja quem for, tenha a idade que tiver, elas não merecem ser estupradas... Elas não gostam de meninos, garotos, rapazes, homens, senhores que lhes agridam física e verbalmente - em termos de abusos sexuais, eu digo. Pense, homem: e se fosse sua filha, irmã, mãe, tia, sobrinha, afilhada, esposa? Há mulheres lendo isso e eu pergunto: você acha que não existem casos de estupros com homens? Existe, sim. Mas é raro e, pior, não divulgado! Acontece quando eles são crianças ainda ou na adolescência. Muitas vezes é aquela babá que cuidava dele, que era uma senhora ou mulher muito simpática, mas que, quando os pais saíam, ela mexia no pênis do garoto. (Pra quê o espanto, leitor?). Quando eles crescem, eles guardam e reprimem essas coisas muito mais do que as mulheres. Por isso, e por termos dados estatísticos e números de ocorrência e divulgação tão altos com mulheres, que praticamente ninguém vai ligar se homens estão sendo estuprados ou não. Todas essas campanhas contra o estupro são válidas, sim! Mesmo se a mulher em questão anda por aí de minissaia e blusa decotada, mesmo se ela anda por aí de burca, ELA SIMPLESMENTE NÃO MERECE SER ESTUPRADA! Ignorante é você que acha que ela não pode andar por aí vestida como bem entender e exercer o seu direito de ir e vir, NADA dá o direito de homem nenhum forçá-la a transar com ele só porque ele precisar "ser aliviado" ou porque ela – injustamente na concepção desse homem – ela mereça. Não, meus caros leitores, não é revolta... É indignação. Sinto-me ofendida quando estou andando na rua, indo pra faculdade e minhas vestes são tão simples como calça jeans e camiseta, e um "homem porco" passa ao meu lado e diz: "Nossa...”; é como se ele, vulgarmente falando, me comesse com os olhos. É revoltante! Palavras que mulheres, garotas, moças, senhoras e meninas aprendem a esquecer e se acostumam com o tempo. E se eu postar fotos dizendo que não mereço ser estuprada e vocês acharem um absurdo, senhores, com o perdão das palavras que digo gentil e educadamente, vocês que vão à merda, pois eu não falo SÓ por mim, mas sim por TODAS! Essa pode até ser mais uma campanha entre tantas, mas não é uma campanha qualquer! É UM APELO! Participe! Ninguém merece ser estuprado! 

7 comentários:

  1. Ola Paulo,vou repetir o que disse no facebook.
    A recente pesquisa publicada pelos jornais, não digo seus nomes aqui pois não ganho para isso, dando conta dos estupros generalizados de nossa sociedade ser de responsabilidade exclusivamente da mulher, que mostrando seus peitos, e ou bundas, sugerem um convite explicito. Que acham disso?
    Não chega a idiotização do capitalismo selvagem que nos corrói a alma, ainda temos que conviver com tão baixa estima por nossas mães, irmãs e filhas?
    Seria isso uma espécie de castigo, uma vez que somos nós a criar estes distintos "homens"? Se nos taparmos até os olhos então, os estupradores serão curados?
    Allelluia!
    Abraços da Gue.

    ResponderExcluir
  2. GUE,

    existe uma libertinagem confundida com liberdade!

    O libertino, por exemplo, o estuprador especificamente,atribui à liberdade feminina nas nossas civilizações não serem obrigadas a usarem burgas,como a causa das suas taras doentias e comportamentos sócio-sexuais deploráveis.

    Então, esta pesquisa surrealista atribui a vitima um "castigo" merecido que, os homens lhes dão por provocarem delírios sexuais que a mutilam, envergonham,infelicitam a mulher e destroem a base da moral da sociedade humana.

    Seria cômico, se não fosse absolutamente trágico!

    Inadmissível o conteúdo desta pesquisa machista e dirigida.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  3. Nada justifica o estupro, que pra mim, é um ato selvagem,
    de uma criatura, sem moral, sem caráter e perverso.
    Estupradores e pedófilos deveriam morrer.
    Amei o texto e concordo plenamente.
    Um xero Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nádia obrigado pela participação.

      Abração carioca.

      Excluir
  4. Muito pertinente.
    Acredito mesmo que muitos casos de violência (inclusive contra homens) nunca tenham sido divulgados, quanto mais aplicado ali, a justiça, por isso que a cada dia o assunto tem que ser mais e mais discutido, pra que quem sabe ao menos os tabus sejam quebrados, fazendo com que cada um adquira mais consciência sobre seus direitos e deveres...
    Parabéns pela dissertação, abraço, Lu.

    ResponderExcluir
  5. LUCY MARA,

    potencialmente ofensivo a este pleno limiar do seculo 21, estas barbáries além de ferirem a dignidade humana - independente do gênero ao qual eles atingem - ferem também a cultura social que deveria estar muito mais compatível com os nossos avanços científicos e tecnológicos.

    Mas, o relacionamento humano continua ser o ponto frágil para todos nós.

    É como você muito bem colocou, uma questão de simples exercício efetivo e consciente de cidadania.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente com a autora do texto. O corpo do ser humano é um santuário, e isso cabe a cada um zelar ou não pelo seu santuário; portanto a liberdade de expressão como de atos em que a sociedade não faz uso de punição e por também nosso código penal que é de 1940 não se adequa ao nosso mundo atual, é que esses fatos absurdos vem acontecendo constantemente e se diga que minuto em minuto crianças tem sido violadas dentro de casa. Quanto ao vestuário, cabe a cada um se preservar ou não, como já disse estamos vivendo em um sistema de coisas onde tudo pode, infelizmente não existe limites, portando somos nós que devemos usar de discernimento e não deixarmos favorecer margens ao estimulo pára esses marginais.Eu não confio e nem acredito nos governos politicos, não espero por nada deles, cabe a mim cuidar e preservar meu santuário e é o que aconselho para todos. Denunciar é o que as autoridades pedem, mas como se as leis que essas mesmas autoridades estão baseadas não inibem com penas severas para esses individuos. Nem sempre fazer valer o voto é o mais certo, pois os que estão lá não me merecem.
    Fraterno abraço querido Paulo

    NIcinha

    ResponderExcluir